Só Contos

Apenas Mais um Arquivo de Palavras

Minha namorada é vampira. O que fazer?

Vampiro

Por Eduardo Vieira

“Eu sou uma vampira” foi o que ela falou para mim, “você vai continuar me amando, né?” Aquele rostinho lindo e bem conservado tinha uma luz estranha e pela primeira vez eu vi uma expressão de súplica. Claro que eu posso continuar a amar. O grande problema é o relacionamento, principalmente o envelhecimento, principalmente a diferença de turno que só agora me chama atenção; por isso ela nunca queria sair de dia e, por cinco anos de namoro, eu nunca suspeitei de nada. Não teria do que suspeitar, é bem verdade, pois não tenho crença em místicos… ou não tinha. Por pura curiosidade perguntei se ela “morde pescoços?” e ela respondeu que sim e reparou que eu subi a gola do meu casaco argumentei que “o ar condicionado está me incomodando” mas não era verdade e ela sabia.

Fiquei com medo e isso não ajudou, pois medo e amor não estavam ajudando a ponderar se valia a pena. E só conseguia pensar besteiras do tipo “morde pescoços por aí?” obviamente afirmativas, afinal ela precisa se alimentar. E o ciúme me impeliu a perguntar “de homens também?” Uma pergunta que não tem sim como resposta obvia, mas tem a resposta “às vezes não têm opções, né…” para aumentar meus ciúmes e fazer a próxima indagação “quantos pescoços já mordeu desde que namoramos?” para me assustar com a resposta de “três mil” e responder gritando “três mil homens mordidos, depravada” ela entendeu que saiu no susto e explicou “uns três mil no total, homens devem ter sido uns oitocentos”… então um “safaadiinhaaa” bastaria para fazer ela dar um sorriso, além de uma demonstração de ciúmes em “morde os homens mais não” e fazê-la dizer alguma coisa “é comida” que não me fez rir.

“Arranca pedaços do pescoço também?” perguntei, talvez, pensando em me preparar para a hora da mordida que ficou mais encarável com “não, eu sou vegetariana” mas atiçou minha curiosidade “ué, e o sangue” para levar um chutezinho e uma chamada de atenção “sangue não é carne, sangue é sangue” e descobrir o primeiro desejo estranho da minha namorada vampira: “como eu queria que árvores tivessem sangue ou qualquer outra planta. Muito nojento ter que morder o pescoço” foi a parte da resposta que me fez pensar nessas coisas de relatividade.

Ela sentiu que estava me ganhando, um namorado vampiro, atacou um “podemos viajar pelo mundo” para me chantagear. Ela sabia que eu queria muito viajar para vários lugares, conversávamos muito sobre eles e um “eu posso te levar” era extremamente sedutor para me conquistar. Mas eu fiquei com medo de “ser abatido por algum país religioso maluco” e fiz que não com a cabeça, ela não tinha conseguido, mas continuou argumentando “simplesmente evitamos eles”. Não fiquei satisfeito, pois “poderíamos ser abatido por algum país paranoico com a defesa do espaço aéreo e praticamente todos têm que ser” e ela só concordou e pôs-se em silêncio a espera de minha próxima fala “você consegue me carregar?” e fez que sim com a cabeça para informar ser “uma vampira forte” uma abertura para uma implicada “é gordinha transformada também?” e levar outro chutezinho, mais forte dessa vez que me machucou e serviu de está-lo para perguntar…

“E se aparecer um caçador de vampiros e pensar que eu sou um vampiro?” e ficar ainda mais preocupado, mas ela conseguiu me acalmar um pouco dizendo que “eles testam se você é humano ou vampiro”, porém não foi o suficiente já que eu estaria lá na condição de namorado e isso poderia deixar as coisas bem diferentes. Outras coisas preocupam como “o Sol?” e ela só poderia concordar comigo dizendo “nossos turnos são diferentes e eu não posso ficar no mesmo turno do Sol” sendo que eu insisti em usar este tópico “você teria que mudar seus hábitos ou ser curada” o que acabou por provocar lágrimas nela já que minha namorada vampira “não tem cura… nem acho que seja doença” uma opinião que eu passei a compartilhar e tive que pedir “desculpas, não foi minha intenção. Eu sei que você não pode fazer muita coisa para mudar, sei que tenho que mudar mais”.

Sentia-me querendo então a conversa tinha que ser sincera e perguntei “e se eu enjoar e se nós enjoarmos um do outro?” para ela responder sinceramente “não sei”. Continuei perguntando, honestamente querendo aprender, “eu bebo cerveja, você bebe sangue. Eu digo que cerveja embriaga e isso é difícil. Acontece alguma coisa assim com sangue?” para ela responder “não sei” igualmente sincera e por esta eu já esperava já que ela nunca bebeu exageradamente. “Como é isso de beber sangue?” eu tive que perguntar “e se você chegar com bafo de sangue em casa: e aí, amor, abateu um boi ou uma vaca hoje?” uma coisa que fez essa minha namorada vampira rir e responder “somente bebo humanos” para eu ter que distrair “vinho ou sangue” inutilmente já que ela não bebia bebidas alcoólicas e eu sabia a resposta seria “sangue. Saangueeee!” que veio meio sacana, até me afastei e joguei o assunto “Temos que ter uma conversa muito séria sobre não morder meu pescoço de forma alguma, nem em sexo” eu estava pensando em desistir de ser mordido. Ela percebeu, estava paciente, me deixando levar a conversa para onde eu quisesse e levei para uma intimidade de “não pode morder meu pênis de forma nenhuma, posso precisar dele” naquela hora eu pensei que não daria certo e estava sério mas ela queria era fazer uma brincadeira “hhhmmmm pescocinho…” antes de falar sério “posso morder seu pescoço sem chupar seu sangue” fazendo-me ficar interessado “e eu não viro vampiro?” para me decepcionar com a resposta “não sei, nunca tentei”.

Contudo outras coisas mereciam atenção, eu estava preso pensar por uma forma de viver “R$934,00 não suporta uma eternidade humana, não pode suportar uma eternidade vampira” anterior a minha namorada vampira, quando eu fazia planos baseados em outros fatos e ela chamou minha atenção para o fato de ser “outra história de agora em diante, isso é, se continuarmos juntos”. Além de não ter certeza se aguento “uma transa louca com uma vampira, não acho que existam estimulantes sexuais suficientes” para ela me corrigir “deve existir sim, só nós que não temos dinheiro para comprar”. Ela tinha total razão que eu queria logo passar isso para trás perguntando “você é sonâmbula?” uma aparente bobagem para ela responder despretensiosamente que “a evolução deve ter tirado esses genes, já que vampiros morrem quando saem ao Sol”.

Ela estava cansada e eu também e eu tinha que decidir, mas precisava perguntar “qual é a sua idade, amor?” para saber que a diferença de idade beirava duzentos anos avisei que “nosso relacionamento pode ter problemas com minha velhice” de fácil resolução: “é só eu te morder” e ela imitou uma tigresa, olhando para o meu pescoço com aqueles caninos saltados. Pela primeira vez eu observava aquele rostinho lindo transformado e ele continuava lindo, porém eu não me sentia confortável olhando e avisei “gelei!” para ela me puxar a um abraço quente e beijar meu pescoço e elogiar “cheiroso” e lamber. Fosse um momento anterior eu estaria excitado, mas naquele momento eu estava com medo e me afastei, fiquei de pé. Desconfortável eu falei “quem ama, ama do jeito que a pessoa é” obtendo uma resposta silenciosa dos olhos dela e uma resposta “eu posso te amar do jeito que você quer, mas não quero me relacionar do jeito que você quer. Você vai envelhecer, não dará certo” difícil de ouvir. Não a mais difícil, pois a seguinte, respondendo se eu virar vampiro “vida eterna e sair daqui”, foi mais difícil, no entanto a dificuldade subiu mais quando perguntei sobre minha família para escutar “de vez em quando”.

Tornou-se uma decisão complexa e eu fui abrir a porta, podia ver parte de minha família sentada no sofá conversando. Eu somente poderia responder “não vai dar para largar minha família”.

Single Post Navigation

28 thoughts on “Minha namorada é vampira. O que fazer?

  1. Pingback: Ver! | Blog | Minha namorada é vampira. O que fazer?

  2. Pingback: Minha namorada é vampira. O que fazer? | Contos e Crónicas | Scoop.it

  3. Sérgio Werneck de Figueiredo on said:

    Parabéns, Eduardo. Inspirado e sugestivo.
    Mesmo inseguros e, às vezes, com mais receio egoísta de rejeição do que temor pela perda pretende-se eternizar um momento ardoroso.
    Em momentos assim acontecem delírios, seguidos dos fatais arrependimentos, por que a paixão foi, por demais, avassaladora e quase leva de brinde a nossa jugular. Também acontece a felicidade do encontro de amor seguido da paz, mesmo que se dê o sangue, pois se sabe que esta doação se transformará em mais vida intensa, em mais paz.
    Em ambos os casos, pensar no valor da família em nossas vidas será determinante e valioso, mesmo que a vampira seja tentadora…

  4. Cuidado com a sua namorada; Ela vai chupa voçê!

  5. Agradeço o carinho da leitura e o trabalho de comentar.

  6. Agradeço os comentários.

  7. Nestas épocas de vampiros virtuais, vampiros da mente, olha até uma vampirinha real dava pra encarar ou não … bem, ainda bem que vampiros não existe ….ou existem??? kkkkk

    • hahaha
      Sei lá se existem, se existirem que não venham para cima de mim srsr.

    • ai só pra você porquer sou uma até hoje se olhor no espelho não me vejo só bebor sangue fresco não paro me um minuto até hoje não envelhecor só muda a minha apareçia cado minha mãe sair de casa bebor sangue da minha irmã só que primeiro olho nos olhos dela e inpimotivo ela faz o que eu nado é sim isso que faleir e verdade e plurar realidade vai no meu facebook estou sorrido olha o meu dente olha aminha aparecia estou mais branca minha boca vermelha alher diço estou mais rapida cado corro cado pulo estou lá enfima

      • Ata uma vanpira analfabeta? Sem ofença.olha sou uma criança de 10anos,mas acredite estudo isso desde os 5.No meu face estou como Livia ferreira ok?

      • phelipe on said:

        Como vc tem foto no facebook se vampiros n aparecem em cameras animal

  8. muito bom o seu texto, a conversa entre os dois, as dúvidas, ficou muito bem escrito. parabéns

  9. rhawinne on said:

    muito bom adorei🙂

  10. alguem me ajuda minha amiga é uma vampira!!!

  11. EU SEI PORQUE ELA NÃO VEM PRA ESCOLA QUANDO TEM SOL ELA NÃO COME SAI ANOITE E É A MAIS RAPIDA SOCORRO PFR

  12. Olha,ou vc vira vampiro,ou casa com ela e vai morar com ela, ou simplesmente termina.Sobre a segunda e a terceira sugestão SEMPRE fique com um terço e um dente de alho descascado e uma garrafinha pequena de agua benta.Ass LIViA

  13. ela [é uma vampira de almas nada vai adiantar se ela quizer te matar

  14. Luanna on said:

    Amei o sew texto Eduardo!!!

  15. Claro que vampiro existe conheço varios e sou uma tb

  16. Breno Canha almeida on said:

    nossa legal essa história mas se a vampira tivesse mordido ele seria mais emocionante

  17. kamily on said:

    sou uma vampira de verdade mas eu quero saber mais sobre vc laura,vo faze uma pergunta bem direta.vc gosta de ser uma vampira e quantos vc conhece em ki cidae vc mora

  18. Fran Souza on said:

    Laura e Kamily se vcs forem vampiras mesmo me addc no facebook: https://www.facebook.com/fraancielle.wisnevski
    Quero conversar com vocês tenho que explicar o motivo de querer ser vampira.

  19. Fico feliz que os humanos não desconfiem muito sobre os vampiros! Quanto menos vocês se preocuparem melhor para mim e para os da minha raça!

  20. Pingback: Minha namorada é vampira. O que fazer? « Só Contos | Eduardo Vicência

  21. Pingback: Minha namorada é vampira. O que fazer? – Só Contos | Eduardo Vicência

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: