Só Contos

Apenas Mais um Arquivo de Palavras

Amor às Primeiras Linhas

Por Ivani Medina

Ele a percebeu pela primeira vez num texto dela, a passear por entre as palavras como se num caprichoso jardim mourisco. Havia uma sinceridade grata e bela naquela mulher educada e cordial que poeticamente dizia-se distante das fantasias e aconchegada na matemática. A caminhante daquela beleza organizada de plantas e flores nada exibia que se opusesse ao instinto e às necessidades de afeto na vida. Pelo contrário, mostrava-se vigorosa defensora dos amores que conquistara. Um desses raros encontros entre a lógica e o sentimento.

Ele era um admirador distante de ambas, geograficamente dela e emocionalmente da matemática. Trancou-se completamente às teorias quando, no ensino fundamental da sua época, tomaram-lhe os pincéis e as tintas com os quais já não se importa mais. Dali em diante, somente um caderno pautado e um lápis preto sem graça alguma lhe seria permitido. Entendeu que seu cérebro não se adaptava às expressões possíveis daquele lápis estúpido, e pronto! Mas, seu coração machucado continuou livre. Passou a pintar com palavras, de vez em quando. Era o máximo que o lápis estúpido lhe permitia no uso das cores.

Ela o trouxe de volta a um mundo do qual ele nem se lembrava mais. Percebê-la no jardim colorido por palavras deu-lhe o crédito de toda possível afeição. Ele gostava de gostar. Mas ela se defendia do amor dele porque já havia conquistado os seus, sabe-se lá a que custo. Para que complicar o coração se tudo estava tão bem? A juventude, na qual isto é próprio, já não se via alem da curva do tempo.  Ele bem sabia disso, mas o egoísmo nele entranhado se comprazia com tal sentimento. Amor pouco amadurecido é egoísmo puro. Ela fazendo por onde tudo em sua vida ter valido a pena, enquanto ele pairava como um abutre sobre a felicidade dela. Ele não valia nada.

Mas qual mulher não gosta de sentir-se valorizada antes da possibilidade de sexo? Antes de ser cobiçada pelas formas do seu corpo ou pela beleza do seu rosto? Ou mesmo por apenas ser mulher? Tal criatura não existe. Devia ser esse o receio dela. Ver-se acariciada no seu íntimo por um estranho e enamorar-se dessas carícias. A despeito de o seu racionalismo, sentir-se valorizada daquele modo, já na maturidade, poderia ver-se traída por alguma das suas vaidades. Tornar-se uma escritora conhecida seu sonho e ele faria tudo por isso, pois compartilhava subversivamente do sonho de alguém que não queria sonhar.

Na prática, uma atração física realizada não oferece tanto problema: lavou tá nova! Mas desse jeito ela se veria traindo a família inteira e, principalmente, a ideia que construiu de si mesma. Não era hora de sequer cogitar mudanças interiores tão radicais e tolamente emocionais. Pouco importava que outros vivessem de modo diferente, porque a vida é diferente para todos. O pior é que a honestidade para consigo mesma fazia dela uma mulher mais atraente ainda. Ela não sabia disso.

Querendo leitores e não amores, ela se viu à mofa do destino. Não há como se controlar o outro diante de um texto quando dele faz um pretexto. Mas ele também não havia planeado nada. A desenvoltura que o encantara naquele jardim era só dela. Amores são muito pessoais. Mas havia muita coisa na vida dela que não tinha preço, diante delas, ele não valia nada.

Single Post Navigation

4 thoughts on “Amor às Primeiras Linhas

  1. Quem nunca se sentiu desta maneira. Tudo é importante no momento em que iremos abordar a mulher por quem estamos apaixonados. Que doce conto! Quanto romantismo e quanta simplicidade nesta tua escrita encantadora. Meus parabens pelo texto.

  2. Muito obrigado pela certeza que me dá de ter tocado alguém com semelhante percepção. Em nossa simplicidade sensível é tudo o que se quer.

  3. Denso não?!
    Mas, a verdade é que pode-se lavar o físico. A alma não.
    E se alma se encontra machucada pelos abutres, nem a água da mais alta corredeira será capaz de cura-la e limpá-la…
    Ligue não. Estou apenas elucubrando. rsrsrs
    Um abraço.

  4. Obrigado pelo seu comentário, Beth. Depois que a gente escreve o texto muda de donos. rsrsrs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: