Só Contos

Apenas Mais um Arquivo de Palavras

Palavras Cruzadas

Por Luísa L.

“Com apenas três folhinhas, se destrói uma complexa estrutura biológica”. Sussurrou enquanto o seu cérebro processava a informação. “Se forem três folhas, três… trevo. Não. Estrutura com três folhas… nós tridimensionais. Nós… pode ser. Nó com oito letras… não, um nó não destrói. Uma folha. Faca. Não dá.” André tentava concentrar-se na charada mas não conseguia. O tagarelar incessante da mulher e do pai ecoava na sua cabeça como trompas desafinadas. “Uma estrutura que pode ser destruída por três folhas… Três. O número três. Trindade… é isso! Não, não, não!…”. Suspirou enquanto o seu olhar trespassava os vidros sujos da janela do escritório, como se procurasse a resposta na vasta vinha que avistava. Concentrou-se nos vidros e estremeceu. Mentalmente sentiu com os dedos, as manchas de pó deixadas pela chuva e tomou consciência que não chovia há mais de um mês.

Aquelas manchas não podiam estar ali. Era impossível, pois vira Margarida limpá-los ontem. “Símbolo do útero… está quase perfeito”, pensou. “Quando se irá o velho embora? Ainda dou cabo dele…”, suspirou e colocou a folha com o problema, dentro das páginas de um livro. Tinha sempre muito cuidado para não deixar os seus problemas à vista. Levantou-se da secretária e foi esparramar-se no sofá. Fechou os olhos. “Este problema vai ganhar. Está bem estruturado, o tema é apelativo…”. Ouviu o eco duma gargalhada que parecia vir do seu cérebro. “Todos pensam que sabem tudo de ocultismo, mas não sabem nada”, deixou-se sorrir perante este pensamento. “Mas o velho não se cala?…”, sussurrou penosamente.

– André… prá mesa, vamos almoçar! – Chamou-o Margarida da cozinha.

André levantou-se lentamente. Olhou outra vez para a janela. Estranhas aquelas manchas… tinha que falar delas à mulher.

– Já vou!… – Respondeu André.

Fechou a porta do escritório e dirigiu-se à cozinha. O pai já estava sentado à mesa. Calou-se e imobilizou-se quando o viu entrar. “Raio do velho… agora que pode falar é que se cala…”. Margarida também já se tinha sentado. André abriu a sua lata de atum e comeu diretamente de lá. Já não havia pratos lavados. Tinha que falar nisso a Margarida, mas agora não. Ela estava exausta; encostara-se à parede e adormecera. “Está cada vez mais magra…” – pensou André com pena. – “Já quase se vêm os ossos do rosto.” Reparou que, no lugar dos olhos, Margarida exibia agora duas cavidades negras. “Estranho…” – arrepiou-se – “Talvez esteja cega. Ah… os vidros da janela. Agora já faz sentido…”

MyFreeCopyright.com Registered & Protected
Ping your blog

Single Post Navigation

4 thoughts on “Palavras Cruzadas

  1. Eita!
    Me arrepiei toda.
    Estranho… rsrsrs
    Beijo Luisa.

  2. joselitobortolotto on said:

    Para tudo sempre tem uma razão ….ou não!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: