Só Contos

Apenas Mais um Arquivo de Palavras

E um homem… se fez anjo

Anjo

Por Vera Alvarenga

Ele estava lá, sozinho pensando em como continuar, qual seria o próximo passo a dar.

Sentia-se desolado com a própria incapacidade de decidir sobre o rumo de algumas coisas, com sua impotência diante do imprevisível, com a impossibilidade de controlar o bem e o mal, a dor e o medo. O que poderia dizer para dar a ela um pouco de esperança, força, fé, diante de tão grande desafio? E ela parecia tão pequena…e frágil agora, depois das primeiras, corajosas, mas frustradas tentativas em busca da própria cura.

O que poderia fazer para devolver a si próprio e ao seu coração a tranquilidade dos dias que já iam longe no tempo? Aqueles dias se foram para sempre, junto com a juventude e a inocência dos que, sem pressa, pensam que o tempo lhes pertence e permitirá que as alegrias se perpetuem na vida. A vida, agora ameaçada. Não apenas a vida dela mas, igualmente a sua, em conseqüência.

Nada e ninguém era para sempre. De cabeça baixa, no escuro da noite, deixou que algumas lágrimas rolassem de seus olhos. Sensibilizara-se por ela, mas as lágrimas eram também por sua própria história. Ninguém veria. Ali, sozinho, estava livre para chorar, sentir o assombro diante de sua insignificância. Não tinha tanto poder como imaginara. Não tinha aliás, nenhum poder. Sentiu certo alívio por desarmar de si mesmo a postura de quem nunca perdera o equilíbrio. Sentiu-se um pouco tonto. Sentou-se. Se continuasse de pé, cairia de joelhos, numa humildade que não reconhecia em si.

Respirou fundo. Entregou-se…. não mais ao sofrimento, nem ao desânimo, nem a saudade, apenas à certeza de que não podia controlar tudo. De cabeça baixa, quis orar. Não sabia quais palavras seriam as mais adequadas, então apenas as sentiu. Assim em silêncio, orou a um Deus que nem sabia como era, um Deus só seu, que talvez nem existisse, ou nunca o ouvisse…

Quem o visse daquela maneira, por aquele ângulo, juraria que neste momento, de suas costas soltavam-se quase transparentes asas, que se abriam. Após alguns minutos, respirou fundo e levantou-se, como se estivesse mais leve. Uma inspiração o animou. Já sabia o que fazer… não podia controlar o presente, nem os fatos, nem o medo dela, nem curá-la, mas podia levar-lhe uma idéia, um sonho pelo qual lutar, um sonho que a faria desejar também ter asas para o alcançar, algo para crer em si. Um desejo, uma luz. Se ela não tivesse asas, este desejo certamente a sustentaria, para além de seus limites!

E assim, aquele homem foi em direção da mulher e como um pássaro ou anjo, emprestou-lhe suas asas, porque ela antes, já fizera isto com ele, num dia, não muito distante daquele…

About these ads

Single Post Navigation

12 pensamentos em “E um homem… se fez anjo

  1. Roberta em disse:

    Nossa que lindo!
    seu texto é muito delicado
    Parabéns!

  2. Bom dia, Roberta. Muito obrigada.
    abraço e bom final de semana!

  3. Vera, boa tarde. Concordo em absoluto com o comentário da Roberta. A delicadeza das palavras e dos conceitos. A forma como, consigo como autora, os sentimentos e as emoções são apresentados não me deixa outra alternativa que não seja a de me assumir como seu incondicional admirador. A importância da dádiva, da abdicação, até como factor de equilíbrio em relação ao desejo, ao egoísmo, está aqui talentosamente representada. Mulheres e homens, em graça ou nem por isso, mas sempre com a possibilidade de o sermos por inteiro em relação a nós próprios e aos que dizemos amar. Um caloroso abraço e um bom fim de semana para si e para os seus.

  4. José, me trouxe alegria ter em si um admirador dos meus escritos. Obrigada por isto. E lhe conto que imaginei este conto, quando lembrava, com admiração e respeito, de um querido amigo meu que passou por algo semelhante há pouco tempo. A vida, em momentos difíceis também nos mostra beleza, não é mesmo?
    Abraço e votos iguais para si.

  5. Sérgio Werneck de Figueiredo em disse:

    Vera Alvarenga, lindo escrito.
    Um fluxo doce de palavras que se entranham e, sem que o percebamos, também criamos asas.
    Essa noite, imagino que poderei sonhar de novo que estou voando…

    • Ah!Graças a Deus! Me emocionarei por saber que é verdadeiro este momento em que, qualquer um de nós possa deixar armaduras de lado e, sentindo-se leve novamente, possa voar… e voando, às vezes, podemos até ouvir próximo a nós, o bater de outras asas, e teremos companhia em nosso vôo – uma felicidade extra. Pois sonhe e voe!

  6. Pingback: Ver! | Blog | E um homem… se fez anjo

  7. Pingback: E um homem… se fez anjo | Contos e Crónicas | Scoop.it

  8. Sonhei e acredito no voo compartilhado….fuiiiii

  9. Oi Vera!
    Belo, muito belo.
    Adorei esta parte: Respirou fundo. Entregou-se…. não mais ao sofrimento, nem ao desânimo, nem a saudade, apenas à certeza de que não podia controlar tudo. De cabeça baixa, quis orar. Não sabia quais palavras seriam as mais adequadas, então apenas as sentiu. Assim em silêncio, orou a um Deus que nem sabia como era, um Deus só seu, que talvez nem existisse, ou nunca o ouvisse…
    Parabéns.
    Beijo.

    • Obrigada Beth! Há momentos que só nos resta orar, e a gente nem sabe se Ele ouvirá, mas é nestes momentos que a gente sente que a única força talvez só nos venha mesmo deste ato humilde de pedir ajuda.. talvez Ele nos escute.
      Um grande abraço a você e uma boa semana!
      Beijo.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: